Categorias
Estratégia Marketing

5 estratégias para você potencializar o relacionamento com o seu cliente

Provavelmente você já se deparou com o desafio e o questionamento de como se aproximar mais dos seus clientes, não é mesmo? Uma opção para isso pode ser a HUMANIZAÇÃO desse relacionamento. Humanizar significa “tornar humano” e isso costuma ser atingido por meio do contato, baseado em empatia, engajamento e interação.

A empatia diz respeito à compreensão do cliente como indivíduo ao invés de um número ou um ponto de interesse. Essa compreensão pode ser potencializada a partir do momento em que há uma preocupação com os interesses dele, definindo como isso se alinha ao que a sua empresa oferece.

O engajamento é envolver o seu cliente com a sua empresa. Pode ser melhorado quando você testa o que motiva o seu cliente e mensura os seus resultados de atuação, até chegar em um cenário ideal e vantajoso. Buscando a conciliação entre o que a empresa oferece e ao que os clientes esperam.

Por fim, a interação é o complemento final disso, ou seja, se você considerou as necessidades e os interesses de seus clientes e entregou conteúdos que eles se identificaram, você causou um  impacto na interação desses clientes e a sua empresa. Essa atividade pode ser uma usado como parâmetro e indicador de relação ou contato do cliente com o serviço, produto ou conteúdo que você está oferecendo.

Lidamos com diversas mídias sociais e plataformas, como: Facebook, Instagram, Twitter, sites, blogs e muito mais. Nelas, uma grande quantidade de pessoas tem a possibilidade de buscar o conteúdo que você produz e ter contato com os seus produtos e/ou serviços, juntamente com os seus valores e as propostas de sua empresa. A humanização pode potencializar os negócios por meio da interação, que cria uma conexão com as pessoas que pode promover um alcance ainda maior da publicação por meios de compartilhamentos e curtidas orgânicas, ou seja, naturais, movidas por empatia. Além disso, pode ser um incentivo ou um auxílio na decisão de compra ou associação, movidos pela conexão que um cliente teve ao receber um conteúdo que ele julga importante, com base em suas necessidades e interesses, ampliando e disseminando também o nome da marca ao público.

Vimos então como a humanização de uma empresa com os seus clientes é importante e pode impactar na disseminação e nas vendas, certo? A seguir, teremos 5 dicas para você promover a humanização em sua comunicação e a interação em seus negócios, que podem “trabalhar para você”.

1 – Promova encontros:

Essa é uma proposta para engajar o seu cliente e trazê-lo para mais perto de você. As pessoas estão em constante contato com outras, interagindo fisicamente ou virtualmente, dessa forma, as empresas podem aproveitar esse fato como uma oportunidade, promovendo encontros com a marca, tornando-a mais interessante e gerando uma ligação entre o consumidor do produto, serviço ou conteúdo com a empresa. Adaptando as relações para um contato de interesse, reciprocidade e cotidiano, transparecendo naturalidade e conexão e também identificando como se aproximar mais dos clientes já existentes e potenciais. Faça eventos, grupos focais, participe de eventos e conecte-se com as pessoas, exponha seus produtos, serviços e demonstre como eles podem atender do público, como eles podem auxiliar de alguma maneira e como eles podem gerar alguma experiência ou sanar alguma necessidade.

2 – Observe, contate, se aproxime e se possível, contrate influenciadores:

Esse meio de marketing consiste em atrelar a imagem do serviço ou produto a pessoas  influentes nas mídias sociais. Influenciadores são um grande marco da era digital e representam uma forma interessante de divulgar a marca, de forma orgânica e direcionada. Orgânica porque é uma forma de divulgação extremamente fluída e natural, se for feita corretamente, e direcionada. Assim, é possível analisar o público alvo específico do influenciador digital e o número de pessoas que podem ser alcançadas pela propaganda, que se realizada da maneira ideal estará alinhada aos interesses do público.

3 – Utilize a “bio”:

Provavelmente sua empresa está inserida em alguma mídia social, certo? A ideia de usar a bio nesse ponto consiste na utilização do campo de informações centrais, ou seja, o perfil da empresa descrito em palavras, que são disponibilizadas aos clientes, com exceção de algumas plataformas como os sites, que geralmente contém campo de “sobre”, que destaca a missão, visão e valores da empresa. Esses campos informativos por sua vez, são o ponto de contato inicial com o consumidor, dessa forma ela deve conter, o que você faz, como você faz, como isso pode beneficiar o cliente e como a necessidade dele se conecta a sua empresa, tudo isso incluindo qual o seu diferencial e a depender do seu público-alvo, não é interessante conter muito termos técnicos.

4 – Promova um conteúdo alinhado:

Essa é a base central para possuir um contato eficiente com o cliente, promover um conteúdo alinhado é demonstrar que você esteve atento e interessado no conteúdo que o seu cliente ou prospecto quis saber, ver, sentir ou ler. Suas estratégias têm que se direcionar ao seu público-alvo. Nas mídias sociais, é interessante que a plataforma que você utiliza seja aquela que o seu público utiliza. Seu texto deve conter o  que seus clientes buscam, passar a mensagem que eles precisam e devem conter imagens impactantes que retratem o objetivo do conteúdo. É necessário, portanto, que você colete feedbacks e ajuste o formato no decorrer que o conteúdo esteja sendo desenvolvido, de modo a atingir um modelo ideal de atuação. Para isso, conheça o perfil do seu público, seus hábitos, seus costumes, seus registros, sua idade, seus padrões, suas pesquisas e dessa maneira você estará mais próximo do seu cliente, potencializando assim o seu negócio e se posicionando mais efetivamente para o mercado.

5 – Aproveite o Storytelling:

O Storytelling é uma ferramenta de marketing utilizada para promover a persuasão e influenciar o seu consumidor em uma história no qual ele se identifique. É uma maneira positiva de fornecer um conteúdo alinhado aos interesses dos consumidores, capaz de atraí-los ao que a empresa está oferecendo, ou seja, uma maneira de inserir o consumidor em uma realidade, em algumas vezes lúdica, promovendo a sua imaginação para a utilização de algum produto ou serviço, transformando conteúdos em vivências. É uma maneira para realizar os ensinamento acima, para construir um storytelling é essencial ouvir o seu público, aprender com ele, descobrir como gerar conteúdo, explorar possibilidades de atuação, criar efetivamente esses conteúdos, comunicar a sua mensagem e encantar o seu público, demonstrando que compreendeu as necessidades dele e atuou sobre isso.

É importante ressaltar que essas não são as únicas estratégias que podem ser utilizadas pela empresa para engajar mais o cliente e criar um relacionamento positivo entre ele e a empresa. Mas, as estratégias abordadas acima são capazes de dar o “pontapé inicial” para a construção desse relacionamento, que é essencial para a empresa, pois auxilia o seu desenvolvimento e estimula o seu posicionamento perante os seus concorrentes, clientes e o setor no geral.

imagem-final-post-25-10 5 estratégias para você potencializar o relacionamento com o seu cliente

Criado por: Evandro Garcia

Líder de Projetos – AD&M Consultoria Empresarial

Fontes: Digitalks – Buzzmonitor

Categorias
Geral

Tem bloqueios criativos? Quer mais criatividade na sua empresa? Descubra como ter uma “tempestade de ideias”!

Convivemos em um ambiente organizacional muito competitivo, com grandes necessidades de inovação e entrega de resultados que sejam “fora da caixa”. Esses processos geralmente demandam uma grande dedicação ao estudo e ideação da melhor alternativa para o problema apresentado, não é mesmo?

Você já deve ter pesquisado técnicas para se tornar mais criativo no seu dia a dia, tanto para o aspecto pessoal quanto para o profissional. Se você fez isso, com certeza já deve ter ouvido falar no brainstorming!

O brainstorming consiste em um conceito de “tempestade de ideias”, é uma técnica muito usada em marketing, gestão e design. Com essa ferramenta a equipe ou o indivíduo terá mais liberdade para a criação e levantamento de ideias, com o objetivo de conseguir a maior quantidade possível, seguido de uma filtragem aplicada ao contexto do problema enfrentado. Partindo do princípio central de que focar esforços em uma grande quantidade de ideias e realizar uma filtragem posterior pode ser mais proveitoso do que focar em apenas uma ideia central.

Pois bem, para que o brainstorming seja mais efetivo e ocorra da maneira ideal é interessante que a equipe de trabalho  siga um conjunto de 7 regras essenciais. São elas:

1- Uma conversa por vez:

É necessário ouvir, uma conversa por vez. Isso significa que todos participantes terão um momento de fala e os demais devem escutá-lo, sem interrupções ou preconceitos, buscando compreender as aplicações das ideias e dos pontos levantados por ele, sem julgamentos. Nesse ponto os colaboradores têm um espaço livre e seguro para explanar as ideias que acharem adequadas.

2- Quantidade importa:

Como foi comentado anteriormente, a chave para o brainstorming consiste em ter várias ideias e posteriormente ir filtrando o que é mais indicado e efetivo para o contexto do problema. O filtro deve vir ao final de todo o processo, considerando as limitações que a empresa poderá ter com relação à ideia apresentada. Nesse ponto devem ser levantado o maior número de ideias possíveis, focando primeiro na quantidade de ideias e depois na qualidade.

3- Construa ideias sobre as ideias dos outros:

Essa regra é mais uma forma de aprimorar as ideias já levantadas anteriormente, ou seja, com base em uma ideia já apresentada há incrementações à ela, com o objetivo de torná-la mais estruturada, viável e efetiva para a resolução do problema enfrentado em determinado momento. É uma excelente oportunidade para melhorar o senso de trabalho em equipe dentro da organização para potencializar a aplicabilidade de uma ideia.

4- Encoraje ideias ousadas

Esse princípio é um convite para que a equipe de trabalho se junte para buscar soluções que fujam ao comum e atinjam o “lado externo da caixa”. Representa um grande desafio para diversas organizações, pois é difícil pensar em coisas alheias a realidade ou ao contexto inserido, mas permite a discussão de ideias que sejam disruptivas e que podem trazer novidades para a organização. Tendo como desejo central a defesa à criatividade e a espontaneidade, para alcançar resultados diferentes do esperado e do habitual. Esse ponto também deve ser marcado por grande quantidade de ideias, sem julgamentos.

5- Seja visual

Para que a grande quantidade de ideias se tornem mais tangíveis e nenhum ponto apresentado se perca, é importante haver registros do que está sendo produzido, de preferência da maneira mais visual possível. Há diversos materiais que podem ser utilizados, por exemplo: papéis e canetas, preferencialmente coloridos, notas autoadesivas, quadros, lápis de colorir e muitas outras, que ajudem a estimular a criatividade dos participantes. É interessante também que nesse ponto a equipe mexa com formas, texturas e tamanhos, possibilitando assim o acesso a outros materiais para a produção de conhecimento.

6- Mantenha o foco

As ideias devem ser o mais criativas possível e em grande quantidade, todavia, é importante que haja uma atenção para não fugir do tema proposto, pois assim, os participantes podem se concentrar no assunto central da proposta, garantindo que as necessidades para o ponto levantado sejam atendidas, considerando todos os aspectos dela.

7- Não faça críticas

Sem julgamentos é um dos pilares do brainstorming, como apontados em praticamente em todas as regras anteriores. Essa regra é essencial e garante que nenhum participante terá as suas ideias desvalorizadas, pois essa desvalorização gera um sentimento de insegurança, exclusão e desimportância. Julgar faz com que o colaborador se acanhe e com isso deixe de apresentar as suas ideias, podendo ocasionar em uma perda para a organização, uma vez que, caso o colaborador participe menos, haverá uma quantidade menor de ideias apresentadas e consequentemente menor será a chance de resolução de problemas ou alcance de ações diferentes.

Agora que você já sabe o que é essencial para realizar um brainstorming, que tal se reunir com os colaboradores ou juntar as equipes de trabalho e discutir sobre a situação da empresa e os objetivos para o curto, médio e/ou longo prazo?

Refletir sobre um problema ou conversar sobre uma ideia inovadora?

Lembre-se da oportunidade de conquistar mais resultados para a sua organização por meio de ideias presentes na sua equipe!

imagem-final-post-ev Tem bloqueios criativos? Quer mais criatividade na sua empresa? Descubra como ter uma “tempestade de ideias”!

Referências: Talk de processos criativos – Grupo Look’n Feel 

Texto criado por: Evandro Garcia

Consultor de projetos – AD&M Consultoria Empresarial