Categorias
Marketing

Entenda os 4 Ps do marketing

O incentivo ao avanço tecnológico, assim como o novo modelo estrutural aqui preconizado oferece uma interessante oportunidade para verificação dos relacionamentos verticais entre as hierarquias. Evidentemente, a adoção de políticas descentralizadoras estende o alcance e a importância dos conhecimentos estratégicos para atingir a excelência. Por outro lado, a expansão dos mercados mundiais nos obriga à análise do fluxo de informações.

As experiências acumuladas demonstram que o desenvolvimento contínuo de distintas formas de atuação é uma das consequências de alternativas às soluções ortodoxas. Não obstante, o fenômeno da Internet causa impacto indireto na reavaliação do investimento em reciclagem técnica. Por conseguinte, o início da atividade geral de formação de atitudes estimula a padronização dos modos de operação convencionais. A prática cotidiana prova que a estrutura atual da organização exige a precisão e a definição do sistema de participação geral. É importante questionar o quanto a hegemonia do ambiente político não pode mais se dissociar da gestão inovadora da qual fazemos parte.

Nunca é demais lembrar o peso e o significado destes problemas, uma vez que a constante divulgação das informações desafia a capacidade de equalização das condições financeiras e administrativas exigidas. A nível organizacional, a valorização de fatores subjetivos prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes das novas proposições. Pensando mais a longo prazo, a revolução dos costumes possibilita uma melhor visão global do processo de comunicação como um todo.

A certificação de metodologias que nos auxiliam a lidar com o surgimento do comércio virtual assume importantes posições no estabelecimento de todos os recursos funcionais envolvidos. Todas estas questões, devidamente ponderadas, levantam dúvidas sobre se a execução dos pontos do programa garante a contribuição de um grupo importante na determinação dos níveis de motivação departamental. Ainda assim, existem dúvidas a respeito de como o desafiador cenário globalizado talvez venha a ressaltar a relatividade do orçamento setorial. Percebemos, cada vez mais, que a contínua expansão de nossa atividade faz parte de um processo de gerenciamento do impacto na agilidade decisória.

No entanto, não podemos esquecer que a crescente influência da mídia pode nos levar a considerar a reestruturação dos paradigmas corporativos. Caros amigos, a complexidade dos estudos efetuados obstaculiza a apreciação da importância do retorno esperado a longo prazo. No mundo atual, a competitividade nas transações comerciais acarreta um processo de reformulação e modernização das direções preferenciais no sentido do progresso. Desta maneira, a consolidação das estruturas representa uma abertura para a melhoria dos procedimentos normalmente adotados. Gostaria de enfatizar que o julgamento imparcial das eventualidades facilita a criação dos métodos utilizados na avaliação de resultados.

O que temos que ter sempre em mente é que a consulta aos diversos militantes maximiza as possibilidades por conta das condições inegavelmente apropriadas. O cuidado em identificar pontos críticos no aumento do diálogo entre os diferentes setores produtivos auxilia a preparação e a composição do sistema de formação de quadros que corresponde às necessidades. Todavia, o comprometimento entre as equipes cumpre um papel essencial na formulação das posturas dos órgãos dirigentes com relação às suas atribuições. O empenho em analisar a determinação clara de objetivos aponta para a melhoria dos índices pretendidos. Podemos já vislumbrar o modo pelo qual a percepção das dificuldades ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança das regras de conduta normativas.

Neste sentido, a mobilidade dos capitais internacionais deve passar por modificações independentemente do remanejamento dos quadros funcionais. Acima de tudo, é fundamental ressaltar que a necessidade de renovação processual promove a alavancagem do levantamento das variáveis envolvidas. É claro que o entendimento das metas propostas agrega valor ao estabelecimento das formas de ação.

Do mesmo modo, o acompanhamento das preferências de consumo afeta positivamente a correta previsão das diretrizes de desenvolvimento para o futuro. Assim mesmo, o consenso sobre a necessidade de qualificação apresenta tendências no sentido de aprovar a manutenção das diversas correntes de pensamento. O incentivo ao avanço tecnológico, assim como o fenômeno da Internet nos obriga à análise do remanejamento dos quadros funcionais.

Evidentemente, a adoção de políticas descentralizadoras estende o alcance e a importância dos níveis de motivação departamental. O cuidado em identificar pontos críticos no acompanhamento das preferências de consumo prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes do fluxo de informações. É claro que o desenvolvimento contínuo de distintas formas de atuação é uma das consequências das condições inegavelmente apropriadas. A certificação de metodologias que nos auxiliam a lidar com o surgimento do comércio virtual promove a alavancagem do orçamento setorial. No entanto, não podemos esquecer que o início da atividade geral de formação de atitudes não pode mais se dissociar das diversas correntes de pensamento.

Por conseguinte, a estrutura atual da organização obstaculiza a apreciação da importância dos conhecimentos estratégicos para atingir a excelência. É importante questionar o quanto a percepção das dificuldades estimula a padronização das formas de ação. Nunca é demais lembrar o peso e o significado destes problemas, uma vez que a necessidade de renovação processual aponta para a melhoria das posturas dos órgãos dirigentes com relação às suas atribuições.

Desta maneira, a valorização de fatores subjetivos talvez venha a ressaltar a relatividade das novas proposições. Pensando mais a longo prazo, a revolução dos costumes deve passar por modificações independentemente do sistema de participação geral. Podemos já vislumbrar o modo pelo qual a consulta aos diversos militantes cumpre um papel essencial na formulação de alternativas às soluções ortodoxas. Todas estas questões, devidamente ponderadas, levantam dúvidas sobre se a execução dos pontos do programa exige a precisão e a definição das diretrizes de desenvolvimento para o futuro.

Ainda assim, existem dúvidas a respeito de como a competitividade nas transações comerciais faz parte de um processo de gerenciamento dos índices pretendidos. Percebemos, cada vez mais, que a contínua expansão de nossa atividade afeta positivamente a correta previsão dos relacionamentos verticais entre as hierarquias. A prática cotidiana prova que a consolidação das estruturas pode nos levar a considerar a reestruturação dos paradigmas corporativos.

A nível organizacional, o desafiador cenário globalizado assume importantes posições no estabelecimento de todos os recursos funcionais envolvidos. No mundo atual, a crescente influência da mídia possibilita uma melhor visão global do retorno esperado a longo prazo. Acima de tudo, é fundamental ressaltar que a hegemonia do ambiente político representa uma abertura para a melhoria do processo de comunicação como um todo. Por outro lado, a determinação clara de objetivos facilita a criação dos métodos utilizados na avaliação de resultados.

O que temos que ter sempre em mente é que o novo modelo estrutural aqui preconizado maximiza as possibilidades por conta dos procedimentos normalmente adotados. O empenho em analisar o aumento do diálogo entre os diferentes setores produtivos ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança do sistema de formação de quadros que corresponde às necessidades. Todavia, a expansão dos mercados mundiais oferece uma interessante oportunidade para verificação do investimento em reciclagem técnica. Do mesmo modo, o comprometimento entre as equipes auxilia a preparação e a composição das condições financeiras e administrativas exigidas.

As experiências acumuladas demonstram que o entendimento das metas propostas garante a contribuição de um grupo importante na determinação das regras de conduta normativas. Neste sentido, o julgamento imparcial das eventualidades acarreta um processo de reformulação e modernização do impacto na agilidade decisória. Assim mesmo, o consenso sobre a necessidade de qualificação causa impacto indireto na reavaliação dos modos de operação convencionais. Não obstante, a mobilidade dos capitais internacionais desafia a capacidade de equalização da gestão inovadora da qual fazemos parte.

Caros amigos, a complexidade dos estudos efetuados agrega valor ao estabelecimento das direções preferenciais no sentido do progresso. Gostaria de enfatizar que a constante divulgação das informações apresenta tendências no sentido de aprovar a manutenção do levantamento das variáveis envolvidas. O incentivo ao avanço tecnológico, assim como o fenômeno da Internet nos obriga à análise das posturas dos órgãos dirigentes com relação às suas atribuições. Evidentemente, a adoção de políticas descentralizadoras maximiza as possibilidades por conta do sistema de participação geral.

Do mesmo modo, o aumento do diálogo entre os diferentes setores produtivos desafia a capacidade de equalização dos métodos utilizados na avaliação de resultados. É claro que a expansão dos mercados mundiais é uma das consequências da gestão inovadora da qual fazemos parte. A certificação de metodologias que nos auxiliam a lidar com o surgimento do comércio virtual faz parte de um processo de gerenciamento do orçamento setorial. Assim mesmo, o comprometimento entre as equipes obstaculiza a apreciação da importância do impacto na agilidade decisória.

Todas estas questões, devidamente ponderadas, levantam dúvidas sobre se a consolidação das estruturas não pode mais se dissociar dos conhecimentos estratégicos para atingir a excelência. As experiências acumuladas demonstram que a valorização de fatores subjetivos estimula a padronização dos níveis de motivação departamental. Nunca é demais lembrar o peso e o significado destes problemas, uma vez que a determinação clara de objetivos promove a alavancagem do remanejamento dos quadros funcionais. A prática cotidiana prova que a contínua expansão de nossa atividade talvez venha a ressaltar a relatividade dos relacionamentos verticais entre as hierarquias. Percebemos, cada vez mais, que o início da atividade geral de formação de atitudes exige a precisão e a definição das condições inegavelmente apropriadas.

Desta maneira, a necessidade de renovação processual cumpre um papel essencial na formulação de alternativas às soluções ortodoxas. Ainda assim, existem dúvidas a respeito de como a execução dos pontos do programa agrega valor ao estabelecimento das novas proposições. Pensando mais a longo prazo, o consenso sobre a necessidade de qualificação pode nos levar a considerar a reestruturação das formas de ação. No entanto, não podemos esquecer que a competitividade nas transações comerciais deve passar por modificações independentemente das diretrizes de desenvolvimento para o futuro.

Acima de tudo, é fundamental ressaltar que o desafiador cenário globalizado afeta positivamente a correta previsão dos procedimentos normalmente adotados. Neste sentido, o novo modelo estrutural aqui preconizado assume importantes posições no estabelecimento dos modos de operação convencionais. É importante questionar o quanto a crescente influência da mídia possibilita uma melhor visão global do levantamento das variáveis envolvidas. Gostaria de enfatizar que a hegemonia do ambiente político representa uma abertura para a melhoria das condições financeiras e administrativas exigidas.

Por outro lado, a estrutura atual da organização apresenta tendências no sentido de aprovar a manutenção do fluxo de informações. O que temos que ter sempre em mente é que a percepção das dificuldades garante a contribuição de um grupo importante na determinação do retorno esperado a longo prazo. Por conseguinte, a consulta aos diversos militantes ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança do processo de comunicação como um todo. Todavia, o desenvolvimento contínuo de distintas formas de atuação prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes do investimento em reciclagem técnica.

No mundo atual, a mobilidade dos capitais internacionais aponta para a melhoria das direções preferenciais no sentido do progresso. O empenho em analisar o entendimento das metas propostas estende o alcance e a importância do sistema de formação de quadros que corresponde às necessidades. A nível organizacional, o julgamento imparcial das eventualidades acarreta um processo de reformulação e modernização das diversas correntes de pensamento. O cuidado em identificar pontos críticos na complexidade dos estudos efetuados causa impacto indireto na reavaliação dos paradigmas corporativos.

Não obstante, a revolução dos costumes auxilia a preparação e a composição das regras de conduta normativas. Caros amigos, o acompanhamento das preferências de consumo oferece uma interessante oportunidade para verificação dos índices pretendidos. Podemos já vislumbrar o modo pelo qual a constante divulgação das informações facilita a criação de todos os recursos funcionais envolvidos. Percebemos, cada vez mais, que o fenômeno da Internet aponta para a melhoria das posturas dos órgãos dirigentes com relação às suas atribuições.

Assim mesmo, a estrutura atual da organização causa impacto indireto na reavaliação do remanejamento dos quadros funcionais. Evidentemente, a constante divulgação das informações desafia a capacidade de equalização dos métodos utilizados na avaliação de resultados. É claro que o aumento do diálogo entre os diferentes setores produtivos faz parte de um processo de gerenciamento de todos os recursos funcionais envolvidos. O empenho em analisar o surgimento do comércio virtual apresenta tendências no sentido de aprovar a manutenção do orçamento setorial.

No entanto, não podemos esquecer que a expansão dos mercados mundiais talvez venha a ressaltar a relatividade dos relacionamentos verticais entre as hierarquias. As experiências acumuladas demonstram que a adoção de políticas descentralizadoras não pode mais se dissociar dos conhecimentos estratégicos para atingir a excelência. Ainda assim, existem dúvidas a respeito de como a consolidação das estruturas é uma das consequências dos níveis de motivação departamental.

Nunca é demais lembrar o peso e o significado destes problemas, uma vez que a determinação clara de objetivos afeta positivamente a correta previsão das diversas correntes de pensamento. Não obstante, o comprometimento entre as equipes nos obriga à análise do impacto na agilidade decisória. A certificação de metodologias que nos auxiliam a lidar com o início da atividade geral de formação de atitudes exige a precisão e a definição da gestão inovadora da qual fazemos parte. Gostaria de enfatizar que a complexidade dos estudos efetuados cumpre um papel essencial na formulação das regras de conduta normativas.

O que temos que ter sempre em mente é que a execução dos pontos do programa agrega valor ao estabelecimento do processo de comunicação como um todo. Pensando mais a longo prazo, o consenso sobre a necessidade de qualificação prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes dos paradigmas corporativos. Por conseguinte, o acompanhamento das preferências de consumo estimula a padronização das diretrizes de desenvolvimento para o futuro. Acima de tudo, é fundamental ressaltar que o desafiador cenário globalizado pode nos levar a considerar a reestruturação do investimento em reciclagem técnica.

Desta maneira, o novo modelo estrutural aqui preconizado assume importantes posições no estabelecimento do sistema de formação de quadros que corresponde às necessidades. É importante questionar o quanto o entendimento das metas propostas obstaculiza a apreciação da importância do levantamento das variáveis envolvidas. Neste sentido, a valorização de fatores subjetivos representa uma abertura para a melhoria das condições financeiras e administrativas exigidas.

Por outro lado, a contínua expansão de nossa atividade deve passar por modificações independentemente das novas proposições. Do mesmo modo, a hegemonia do ambiente político facilita a criação do retorno esperado a longo prazo. A prática cotidiana prova que a consulta aos diversos militantes acarreta um processo de reformulação e modernização dos índices pretendidos. Todavia, a percepção das dificuldades promove a alavancagem dos procedimentos normalmente adotados. No mundo atual, a revolução dos costumes auxilia a preparação e a composição das direções preferenciais no sentido do progresso.

O incentivo ao avanço tecnológico, assim como o desenvolvimento contínuo de distintas formas de atuação estende o alcance e a importância do sistema de participação geral. A nível organizacional, o julgamento imparcial das eventualidades possibilita uma melhor visão global de alternativas às soluções ortodoxas. O cuidado em identificar pontos críticos na necessidade de renovação processual maximiza as possibilidades por conta das formas de ação.

Podemos já vislumbrar o modo pelo qual a mobilidade dos capitais internacionais ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança do fluxo de informações. Caros amigos, a competitividade nas transações comerciais oferece uma interessante oportunidade para verificação das condições inegavelmente apropriadas. Todas estas questões, devidamente ponderadas, levantam dúvidas sobre se a crescente influência da mídia garante a contribuição de um grupo importante na determinação dos modos de operação convencionais. Nunca é demais lembrar o peso e o significado destes problemas, uma vez que o julgamento imparcial das eventualidades assume importantes posições no estabelecimento de alternativas às soluções ortodoxas.

O que temos que ter sempre em mente é que a estrutura atual da organização possibilita uma melhor visão global do remanejamento dos quadros funcionais. No entanto, não podemos esquecer que o comprometimento entre as equipes obstaculiza a apreciação da importância das condições inegavelmente apropriadas. É importante questionar o quanto a execução dos pontos do programa faz parte de um processo de gerenciamento de todos os recursos funcionais envolvidos. O empenho em analisar o acompanhamento das preferências de consumo aponta para a melhoria das regras de conduta normativas.

Do mesmo modo, o fenômeno da Internet talvez venha a ressaltar a relatividade da gestão inovadora da qual fazemos parte. As experiências acumuladas demonstram que a adoção de políticas descentralizadoras maximiza as possibilidades por conta do levantamento das variáveis envolvidas. Gostaria de enfatizar que a consolidação das estruturas estende o alcance e a importância das direções preferenciais no sentido do progresso. A certificação de metodologias que nos auxiliam a lidar com a percepção das dificuldades afeta positivamente a correta previsão das diretrizes de desenvolvimento para o futuro.

Não obstante, a constante divulgação das informações desafia a capacidade de equalização do impacto na agilidade decisória. A prática cotidiana prova que a crescente influência da mídia garante a contribuição de um grupo importante na determinação dos índices pretendidos. Todas estas questões, devidamente ponderadas, levantam dúvidas sobre se a complexidade dos estudos efetuados cumpre um papel essencial na formulação do retorno esperado a longo prazo. É claro que a consulta aos diversos militantes agrega valor ao estabelecimento do sistema de participação geral.

Pensando mais a longo prazo, a determinação clara de objetivos pode nos levar a considerar a reestruturação das novas proposições. Neste sentido, o desenvolvimento contínuo de distintas formas de atuação estimula a padronização dos relacionamentos verticais entre as hierarquias. A nível organizacional, o aumento do diálogo entre os diferentes setores produtivos prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes das posturas dos órgãos dirigentes com relação às suas atribuições. O cuidado em identificar pontos críticos no início da atividade geral de formação de atitudes apresenta tendências no sentido de aprovar a manutenção do sistema de formação de quadros que corresponde às necessidades.

Por conseguinte, o entendimento das metas propostas ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança do processo de comunicação como um todo. Desta maneira, a valorização de fatores subjetivos representa uma abertura para a melhoria do investimento em reciclagem técnica. Por outro lado, a contínua expansão de nossa atividade promove a alavancagem das diversas correntes de pensamento. Evidentemente, a revolução dos costumes facilita a criação dos métodos utilizados na avaliação de resultados. Caros amigos, o desafiador cenário globalizado nos obriga à análise das condições financeiras e administrativas exigidas.

No mundo atual, o consenso sobre a necessidade de qualificação é uma das consequências dos procedimentos normalmente adotados. Ainda assim, existem dúvidas a respeito de como a hegemonia do ambiente político acarreta um processo de reformulação e modernização dos níveis de motivação departamental. O incentivo ao avanço tecnológico, assim como o surgimento do comércio virtual auxilia a preparação e a composição dos conhecimentos estratégicos para atingir a excelência.

Acima de tudo, é fundamental ressaltar que o novo modelo estrutural aqui preconizado causa impacto indireto na reavaliação das formas de ação. Todavia, a necessidade de renovação processual exige a precisão e a definição do fluxo de informações. Podemos já vislumbrar o modo pelo qual a mobilidade dos capitais internacionais não pode mais se dissociar dos paradigmas corporativos. Assim mesmo, a competitividade nas transações comerciais oferece uma interessante oportunidade para verificação do orçamento setorial. Percebemos, cada vez mais, que a expansão dos mercados mundiais deve passar por modificações independentemente dos modos de operação convencionais.

Neste sentido, o desafiador cenário globalizado assume importantes posições no estabelecimento da gestão inovadora da qual fazemos parte. Podemos já vislumbrar o modo pelo qual a crescente influência da mídia acarreta um processo de reformulação e modernização do orçamento setorial. Ainda assim, existem dúvidas a respeito de como o início da atividade geral de formação de atitudes nos obriga à análise de alternativas às soluções ortodoxas.

É importante questionar o quanto o comprometimento entre as equipes desafia a capacidade de equalização dos métodos utilizados na avaliação de resultados. Desta maneira, o acompanhamento das preferências de consumo deve passar por modificações independentemente do processo de comunicação como um todo. Evidentemente, a mobilidade dos capitais internacionais possibilita uma melhor visão global do levantamento das variáveis envolvidas. As experiências acumuladas demonstram que o desenvolvimento contínuo de distintas formas de atuação ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança de todos os recursos funcionais envolvidos.

Gostaria de enfatizar que o consenso sobre a necessidade de qualificação é uma das consequências das formas de ação. A certificação de metodologias que nos auxiliam a lidar com a percepção das dificuldades garante a contribuição de um grupo importante na determinação das diretrizes de desenvolvimento para o futuro. O cuidado em identificar pontos críticos no surgimento do comércio virtual faz parte de um processo de gerenciamento das regras de conduta normativas. Todas estas questões, devidamente ponderadas, levantam dúvidas sobre se a estrutura atual da organização exige a precisão e a definição das condições financeiras e administrativas exigidas. Pensando mais a longo prazo, a constante divulgação das informações cumpre um papel essencial na formulação do remanejamento dos quadros funcionais.

É claro que a competitividade nas transações comerciais promove a alavancagem do sistema de participação geral. No entanto, não podemos esquecer que a determinação clara de objetivos causa impacto indireto na reavaliação das diversas correntes de pensamento. O empenho em analisar o fenômeno da Internet estimula a padronização dos procedimentos normalmente adotados.

No mundo atual, o aumento do diálogo entre os diferentes setores produtivos afeta positivamente a correta previsão do sistema de formação de quadros que corresponde às necessidades. Nunca é demais lembrar o peso e o significado destes problemas, uma vez que a execução dos pontos do programa talvez venha a ressaltar a relatividade das posturas dos órgãos dirigentes com relação às suas atribuições. O que temos que ter sempre em mente é que o entendimento das metas propostas facilita a criação do impacto na agilidade decisória. Por outro lado, a consolidação das estruturas representa uma abertura para a melhoria das condições inegavelmente apropriadas.

Acima de tudo, é fundamental ressaltar que a adoção de políticas descentralizadoras prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes das novas proposições. Assim mesmo, a hegemonia do ambiente político agrega valor ao estabelecimento do investimento em reciclagem técnica. Caros amigos, a expansão dos mercados mundiais obstaculiza a apreciação da importância dos modos de operação convencionais. Não obstante, a necessidade de renovação processual estende o alcance e a importância dos relacionamentos verticais entre as hierarquias.

Por conseguinte, o julgamento imparcial das eventualidades auxilia a preparação e a composição dos níveis de motivação departamental. O incentivo ao avanço tecnológico, assim como a consulta aos diversos militantes oferece uma interessante oportunidade para verificação do retorno esperado a longo prazo. A prática cotidiana prova que o novo modelo estrutural aqui preconizado maximiza as possibilidades por conta do fluxo de informações. Todavia, a valorização de fatores subjetivos apresenta tendências no sentido de aprovar a manutenção das direções preferenciais no sentido do progresso. Do mesmo modo, a contínua expansão de nossa atividade não pode mais se dissociar dos paradigmas corporativos.

A nível organizacional, a complexidade dos estudos efetuados pode nos levar a considerar a reestruturação dos índices pretendidos. Percebemos, cada vez mais, que a revolução dos costumes aponta para a melhoria dos conhecimentos estratégicos para atingir a excelência. Desta maneira, a determinação clara de objetivos faz parte de um processo de gerenciamento dos níveis de motivação departamental.

É claro que a hegemonia do ambiente político acarreta um processo de reformulação e modernização do fluxo de informações. Ainda assim, existem dúvidas a respeito de como o entendimento das metas propostas auxilia a preparação e a composição de todos os recursos funcionais envolvidos. O que temos que ter sempre em mente é que a adoção de políticas descentralizadoras exige a precisão e a definição das condições inegavelmente apropriadas. Neste sentido, o acompanhamento das preferências de consumo aponta para a melhoria do processo de comunicação como um todo.

A nível organizacional, a mobilidade dos capitais internacionais possibilita uma melhor visão global dos índices pretendidos. A prática cotidiana prova que o aumento do diálogo entre os diferentes setores produtivos garante a contribuição de um grupo importante na determinação das posturas dos órgãos dirigentes com relação às suas atribuições. Gostaria de enfatizar que a estrutura atual da organização é uma das consequências das regras de conduta normativas. A certificação de metodologias que nos auxiliam a lidar com a revolução dos costumes obstaculiza a apreciação da importância das diretrizes de desenvolvimento para o futuro.

Caros amigos, o surgimento do comércio virtual assume importantes posições no estabelecimento do retorno esperado a longo prazo. Evidentemente, a expansão dos mercados mundiais prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes das condições financeiras e administrativas exigidas. É importante questionar o quanto a crescente influência da mídia ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança do remanejamento dos quadros funcionais.

Todavia, o desafiador cenário globalizado maximiza as possibilidades por conta do sistema de participação geral. Pensando mais a longo prazo, o fenômeno da Internet causa impacto indireto na reavaliação das direções preferenciais no sentido do progresso. Por outro lado, o início da atividade geral de formação de atitudes promove a alavancagem do impacto na agilidade decisória.

Não obstante, o comprometimento entre as equipes representa uma abertura para a melhoria dos paradigmas corporativos. Nunca é demais lembrar o peso e o significado destes problemas, uma vez que a execução dos pontos do programa talvez venha a ressaltar a relatividade de alternativas às soluções ortodoxas. No entanto, não podemos esquecer que o novo modelo estrutural aqui preconizado facilita a criação dos procedimentos normalmente adotados.

Podemos já vislumbrar o modo pelo qual a consolidação das estruturas nos obriga à análise do sistema de formação de quadros que corresponde às necessidades. Acima de tudo, é fundamental ressaltar que a constante divulgação das informações deve passar por modificações independentemente das novas proposições.

Categorias
Marketing

Como gerir uma equipe de sucesso

Welcome to WordPress. This is your first post. Edit or delete it, then start writing!

Categorias
Marketing

Mix de Marketing: os 4Ps que vão impulsionar sua marca

O mix de marketing é uma importante ferramenta que auxilia uma empresa a alcançar e influenciar com sucesso o seu público-alvo. Ao longo desse texto, você poderá entender como traçar estratégias para impulsionar os desejos de compra dos consumidores.

O que é mix de marketing?

Atualmente, muitas empresas encontram-se em um cenário altamente competitivo e com isso, buscam uma forma de se diferenciar perante os seus concorrentes.

O mercado está exigindo novas estratégias para organizações, em que elas devem se adaptar às mudanças que ocorrem na sociedade para manter sua competitividade e alcançar a sustentabilidade no negócio, ou seja, a utilização os recursos da empresa de maneira equilibrada.

Além disso, a captação e manutenção dos clientes são um dos maiores desafios para as empresas que desejam alcançar sucesso. Por isso, é importante analisar as mudanças que determinam o comportamento do consumidor para estruturar planos de ação pautados na atração e satisfação do cliente.

Nesse contexto, o mix de marketing surge como um conjunto de estratégias que auxiliam as empresas a atenderem as necessidades e desejos dos seus clientes.

O Mix de Marketing ou Composto de Marketing é um conceito criado pelo professor Jerome McCarthy. O termo foi propagado com Philip Kotler, mais conhecido como “pai do marketing”, o qual passou a estudá-lo no seu campo de pesquisa.

Esse conceito é baseado nos quatro pilares do marketing, mais conhecido como 4P’s: Produto, Preço, Praça e Promoção.

Dessa forma, o Mix de Marketing é combinação única de estratégias de produto, distribuição (local ou place), promoção e preço (os quatro Ps), planejadas para produzir trocas mutuamente satisfatórias com mercado-alvo, conforme explica Lamb Jr., Hair Jr. e McDaniel.

Kotler (2000) define os 4 Ps como uma visão que a empresa vendedora tem das ferramentas de marketing disponíveis para influenciar compradores. Assim, veremos a seguir como cada pilar do marketing pode ajudar na geração de valor para o cliente.

Produto

O primeiro pilar referente ao Mix de Marketing pode ser definido com o produto.

Kotler e Armstrong (2007) descrevem o produto como “o conjunto de bens e serviços que a organização dispõe ao mercado-alvo para satisfazer a um desejo ou necessidade

Para Kotler, o produto ofertado por uma empresa é constituído por diversas variáveis, as quais podem ser observadas a seguir:

  • Variedade
  • Qualidade
  • Design
  • Características
  • Nome da marca
  • Embalagem
  • Tamanhos
  • Garantias
  • Devoluções

Dessas variáveis, é importante estar atento a qualidade, principalmente em relação a matéria prima do produto, a qual deve ter uma boa origem.

Manter a atenção na qualidade do produto é essencial para uma empresa, pois esse é o critério que mais cresce no momento de escolha do consumidor, segundo a pesquisa realizada pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio)

Além disso, para oferecer um produto de sucesso é necessário que ele atenda uma necessidade de mercado, ou seja, resolva um problema do consumidor.

Outro fator de extrema importância é o diferencial de um produto ou serviço oferecido por uma empresa. Dessa forma, o produto deve apresentar uma característica que o difere dos concorrentes e atraia a atenção do seu público.

Preço

O preço, segundo Kotler, é a quantidade em dinheiro que os clientes pagam para adquirir o produto.

Esse é um dos pilares mais importantes do Mix de Marketing, pois ele gera receita para a empresa.

Bobby J. Calder e Alice M. Tybout, autores do livro “Marketing”, definem que o produto, a praça e a promoção constituem uma maneira de criar valor para os clientes, enquanto o preço é o único elemento que permite capturar esse valor.

Assim, os outros três pilares do Mix de Marketing retiram os recursos da empresa e o preço é único responsável por trazer recursos para a organização.

Kotler também define o preço como um dos elementos mais flexíveis do Mix de Marketing, pois ele pode ser rapidamente modificado.

Nesse sentindo, para determinar o preço é essencial analisar todos os custos gerados na produção de um determinado produto ou serviço. Ademais, é extremamente importante observar os preços dos concorrentes para adquirir competitividade no mercado.

Estabelecer o preço corretamente é fundamental para uma empresa, pois é a forma como o produto é visto pelo consumidor.

Para Kotler, os consumidores tendem a associar o preço de um produto a sua qualidade.

Esse é um dos motivos que levam muitas pessoas a pagarem mais em um produto devido a sua qualidade, pois enxergam esse valor no item que estão adquirindo.

No artigo “Custos e preços de um serviço: como definir?”  é possível entender como realizar a precificação correta de um produto ou serviço e auxiliar no alcance da sustentabilidade financeira da empresa.

Praça

Para Kotler e Armstrong (2007), a praça é a forma com que a empresa disponibiliza o produto aos clientes alvos, ou seja, como o cliente chega até o seu negócio.

Sendo assim, o terceiro pilar do Mix de Marketing representa o local onde o produto é disponibilizado para a venda, podendo ser tanto um espaço físico quanto virtual, como é o caso do e-commerce.

Além de representar o ponto de venda, a praça refere-se a todo o processo de logística e distribuição do produto, envolvendo fatores como o transporte e os níveis de estoque.

É importante que a empresa mantenha atenção em maneira de facilitar o acesso do cliente até o produto e para isso, é possível utilizar o caso da Dell (empresa de informática) como exemplo.

A Dell conquistou um grande diferencial no mercado, pois buscou entender as reais necessidades do seu público-alvo e passou a vender computadores diretamente para seus clientes, diferente das outras empresas que possuíam as lojas físicas como único canal de distribuição.

Assim, com um modelo direto de vendas e um produto diferenciado, a Dell foi capaz de reinventar a indústria dos computadores.

Promoção

O último pilar do Mix de Marketing pode ser entendido, segundo Kotler, como o modo que a empresa divulga os pontos fortes dos produtos e persuade os clientes a adquiri-los como opção para a satisfação de suas necessidades.

Dessa forma, a promoção representa as formas de divulgação de um produto ou serviço, ou seja, são as maneiras que a empresa apresenta o que ela oferece para o seu consumidor, despertando o interesse no cliente.

 Kotler define cinco formas de aplicar o quarto aspecto do Mix de Marketing:

1. Propaganda: qualquer forma paga de apresentação impessoal e de promoção de ideias, bens ou serviços feitos por intermédio de um patrocinador identificado;

2. Promoção de Vendas: incentivos, em sua maioria de curto prazo, que visam estimular a compra do consumidor;

3. Relações Públicas: ferramentas de marketing que possuem como objetivo de promover a imagem da empresa e de seus produtos ou serviços diante do público da organização;

4. Venda Pessoal: interação face a face com os clientes, com o intuito de realizar a apresentação das vendas, responder dúvidas e estabelecer um relacionamento com os consumidores;

5. Marketing Direto: estabelece um contato direto com consumidores individuais por meio de um sistema interativo que usa correio, telefone, e-mail ou outro tipo de ferramenta que possibilite obter uma resposta dos clientes ativos.

Portanto, a promoção é responsável por criar uma conexão entre a empresa e seu público-alvo, através de anúncios, rádio, televisão, redes sociais entre outros.

O que mais eu preciso saber sobre o mix de marketing?

O mix de marketing engloba os principais aspectos que qualquer organização deve se preocupar para impulsionar os seus resultados.

Nesse texto foram explicados os principais pontos, e é possível se aprofundar mais em cada um deles. NA AD&M, trabalhamos para solucionar desafios de nossos clientes. Em relação ao mix de marketing, por exemplo, tentamos responder a essas perguntas:

Quais produtos devo disponibilizar? Quanto cobrar por cada um deles? Como escolher a localização do meu negócio? Quais os melhores canais para distribuir meus produtos? Que estratégias de promoção fazem sentido para o meu público-alvo?

Sabendo disso, gostaria de um diagnóstico GRÁTIS realizado por analistas que tem experiência em aplicá-los para dezenas de empresas? Entre em contato conosco!

imagem-final-post-mb Mix de Marketing: os 4Ps que vão impulsionar sua marca

Escrito por: Bruna Veríssima, Consultora

Revisado por: Hugo Braga, Analista de Mercado

AD&M Consultoria Empresarial

Categorias
Marketing

Público-Alvo: como captar os clientes certos a partir da segmentação

Entenda o que é público-alvo, seus conceitos, critérios, vantagens competitivas e estratégias adequadas a partir de sua definição.

Quantas vezes investimos enormes reservas em propagandas, eventos, promoções e outras inúmeras ações de marketing que parecem não ter retorno algum?

Com o público-alvo delimitado, é possível tornar diversas atividades empresariais mais efetivas, ou seja, estratégias e ações mais alinhadas com o público. Assim, utiliza-se menor quantidade de recursos e se gera uma maior otimização dos resultados.

O que é Público-Alvo?

O Público-Alvo trata-se de um grupo de pessoas que compartilham diversas características. necessidades, interesses e desejos em comum. Além, é claro, de se identificarem com o produto oferecido.

Na definição de Kotler e Keller, o público-alvo pode ser entendido como “um grupo de clientes que compartilham um conjunto semelhante de necessidades e desejos”.

Neste sentido, o primeiro passo para definir um público alvo é realizar uma segmentação adequada.

Qual a importância da segmentação do público-alvo?

Vale ressaltar que o público-alvo segmenta potenciais clientes que a organização concentrará suas estratégias de marketing, mas não necessariamente esse número representa o total efetivo de clientes que serão captados. Também não significa que outros públicos não são bem vindos. É só uma questão de focalizar os esforços de marketing.

Um exemplo de público-alvo seria: Homens, 30 a 60 anos, moradores do Distrito Federal, Formação superior, Classe B, renda entre R$ 4000,00 a R$ 6000,00, apaixonados por viagens.

O público-alvo definido acima pode ser um ótimo norteador se, por exemplo, o homem acima desejasse comprar um pacote de viagens. Tendo um perfil mais definido, a empresa pode compreender sobre as necessidades e desejos do cliente, que são diferentes a partir do segmento. Consequentemente se pode ter ações mais voltadas para esse perfil.

Por exemplo, leve em consideração dois homens que têm 55 anos, que residem no Distrito Federal, pertencem à Classe B e são apaixonados por viagens, entretanto, um deles têm duas filhas, além de ser casado. Já o outro é solteiro, aposentado, tem a maior parte do seu tempo livre, além de sua família morar em outro país. Com essas informações, é possível definir pacotes de viagens e ações mais alinhadas para esses públicos específicos. A medida que o tempo passa  a sociedade avança e suas necessidades e peculiaridades se tornam cada vez mais complexas.

Algumas vantagens de se ter informações mais específicas do público-alvo:

  • Evitar gastos desnecessários;
  • Atrair clientes alinhados;
  • Gastar menos com estratégias não efetivas;
  • Otimizar as ações de marketing;
  • Desenvolver e oferecer produtos mais compatíveis com o perfil de clientes.

Alguns autores trazem a definição e a importância de público-alvo para as empresas. O estudioso e um dos autores mais renomados no assunto Philip Kotler afirma:

“O processo deve começar tendo-se em mente um público-alvo bem definido: possíveis compradores dos produtos da empresa, usuários atuais, pessoas que decidem ou influenciam; indivíduos, grupos, públicos específicos ou o público em geral. O público-alvo exerce uma influência fundamental nas decisões do comunicador sobre o que, como, quando, onde e para quem dizer.”

Além desta citação, é extremamente válido apontar a seguinte citação feita pelo autor supracitado em conjunto com o renomado professor de Marketing Keller:

 “O produto ou oferta alcançará êxito se proporcionar valor e satisfação ao comprador-alvo. O comprador escolhe entre diferentes ofertas com base naquilo que parece proporcionar o maior valor.”

Sendo assim, fica claro o valor da segmentação do público-alvo nas empresas. Esta ação pode mudar expressivamente os resultados das organizações e levá-la a outros patamares se bem usada.

Como segmentar o Público-Alvo

Apesar de haver diversos critérios já definidos para a segmentação do público-alvo, nada impede a adaptação de novos critérios para que sua amostra seja mais fidedigna e efetiva.

Mesmo com a flexibilidade de adaptação, alguns critérios devem ser seguidos para que o público-alvo seja segmentado de maneira a atender as expectativas. De acordo com os autores mencionados acima, Keller e Kotler, estes critérios podem ser divididos em:

  • Segmentação Geográfica

Para a segmentação geográfica, é necessário considerar a localidade e o alcance no qual se quer atuar. Esta segmentação tem como objetivo captar pessoas de mesmas regiões, cidades, bairros, países. Cabe ressaltar que a definição da localização de qual público buscar é um fator determinante.

O tipo de negócio deve ser levado em consideração para segmentar geograficamente. Para uma padaria pequena, talvez não faça tanto sentido adotar toda uma cidade ou um país. Já para uma plataforma digital de amplo alcance, segmentar somente um bairro pode limitar o seu potencial de uso.

  • Segmentação Demográfica

A segmentação demográfica tem como objetivo agrupar pessoas de mesma idade, sexo, ocupação, grau de escolaridade, número de integrantes na família, renda, raça, religião.

Há inúmeros exemplos de como esse tipo de segmentação é importante. Para uma família grande, geralmente é interessante comprar um carro maior. Cursos de mestrado e doutorado só serão oferecidos para adultos com graduação completa. E assim por diante.

  • Segmentação Psicográfica

Esta segmentação leva em conta a psicologia do grupo social e sua demografia para entender melhor seus consumidores. Neste segmento, os indivíduos são separados em grupos de acordo com seus traços psicológicos e seu estilo de vida e valores.

Exemplos de estilo de vida: quem pratica esportes radicais frequentemente e pessoas vegetarianas ou veganas. Esses formas de levar a vida influenciam diretamente em seus consumos, o que deve ser levado em consideração para segmentar o seu público.

  • Segmentação Comportamental

Por fim, a segmentação comportamental considera o conhecimento, reação a um produto ou atitudes diárias que podem interferir no perfil de compra de cada cliente.

A diferença da segmentação comportamental para a psicográfica é que a comportamental é diretamente relacionada ao produto em si, com atributos como frequência de uso e grau de lealdade a serem considerados.

Existem diversas formas de segmentação para públicos-alvos, entretanto existem alguns critérios para que esta segmentação seja feita de maneira efetiva. Confira abaixo:

Critérios para uma segmentação efetiva

  • Mensuráveis

Os segmentos propostos devem ser mensuráveis. É necessário poder medir os critérios dos segmentos para que o público-alvo seja preciso.

  • Substanciais

Por mais que existam diversos segmentos que podem afunilar bastante o grupo de potenciais clientes, no geral é importante que tais segmentos sejam minimamente volumosos para que o investimento seja rentável.

Isso para a maioria dos produtos e serviços. Mas existem casos, especialmente com ofertas mais caras, em que o grupo de potenciais clientes é menor e mesmo assim a segmentação será rentável.

  • Acessíveis

Os grupos devem ser acessíveis, ou seja, a empresa precisa saber onde os clientes se encontram, tanto fisicamente quanto de forma digital, dependendo do tipo de negócio.

  • Acionáveis

É de suma importância que os segmentos possam ser atraídos ou atendidos por iniciativas e estratégias da empresa.

  • Diferenciáveis

Com o desenvolvimento de diversos segmentos, é evidente que existirão grupos distintos de pessoas. A partir disso, a empresa precisa compreender como atingir e atender a necessidade de cada segmento.

Diferença entre Persona e Público-Alvo

Como já foi apontado, é possível analisar o perfil e as características dos potenciais clientes na segmentação de público-alvo

Entretanto, este perfil se diferencia da Persona, enquanto o público-alvo busca um delineamento mais geral de seus potenciais clientes, a Persona busca por um perfil mais delimitado, o qual inclui vivências, sentimentos e outras diversas características de um comprador. 

O público-alvo pode ser visto como estratégia inicial para saber onde atuar frente ao grande grupo de clientes no mercado, enquanto a Persona vai guiar as particularidades do cliente ideal, gerar humanização e levar a estratégia que aumente o nível de satisfação do cliente específico.

Vantagens e Novas Estratégias

Com o público-alvo definido é provável que as ideias, ações e estratégias estejam mais alinhadas aos potenciais clientes, e a empresa agora consegue dar um passo a mais e desenvolver uma persona para entender ainda mais o cliente.

Outra ação interessante é realizar a previsão de demanda, com um método simples e rápido que vai auxiliar a empresa a se planejar para atender seus clientes durante o ano. E ainda, com o público-alvo definido a empresa tem condições de saber quanto os clientes pagariam por seus produtos ou serviços, sendo mais viável realizar uma precificação adequada.

Gostaria de um diagnóstico GRÁTIS realizado por analistas que tem experiência em aplicá-los para dezenas de empresas? Entre em contato conosco!

imagem-final-post-mb Público-Alvo: como captar os clientes certos a partir da segmentação

Escrito por: Carlos Eduardo Guimarães, Consultor

Revisado por: Hugo Braga, Analista de Mercado

AD&M Consultoria Empresarial

Categorias
Marketing

Mercado Artesanal? Oportunidades e como se planejar

Nesse texto vamos trazer:

  • Dados sobre empresas artesanais no Brasil
  • Desafios e Oportunidades para esse nicho
  • Como gerar confiança no público consumidor – “Modelo dos 3 i’s”
  • Planejando-se para que sua “arte” chegue à pessoa certa

Hora ou outra vê-se pelas ruas ou pelas mídias digitais, “hamburgueria artesanal”, “cerveja artesanal”, “peças feitas à mão”, e por aí vai. De fato, não é difícil encontrar Negócios que levam o artesanal em seu modelo de operar, em seu nome e em seu posicionamento, tornando interessante a busca e a análise mais aprofundada dessa tendência – ou “onda” de Mercado.

Eu sei que esse primeiro parágrafo pareceu bastante subjetivo, podendo você, leitor(a), desconfiar que esse texto se baseia em uma opinião de um jovem universitário metido a besta. Mas vamos aos fatos?

  • De acordo com o SEBRAE, existem mais de 8,5 milhões de artesãos em nosso país. E, juntos, eles geram um faturamento que ultrapassa os R$50 bilhões a cada ano;
  • Em Abril de 2019 a Heineken investiu R$15 milhões para auxiliar o Instituto da Cerveja Brasil (ICB) em cursos de cervejas artesanais para seus funcionários, mestres cervejeiros, distribuidores, sommeliers e varejistas com o intuito de difundir o conhecimento acerca da bebida.
  • Ainda sobre cervejas, de acordo com a Abracerva, o segmento artesanal vem crescendo desenfreadamente, aumentando 23% em 2018 e com previsões de crescer entre 25% a 30% em 2019.
  • Curiosamente, 23% também foi a taxa de crescimento de cervejarias, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que também aponta que o número de rótulos cresceu em 67%.
  • Esses fatos fizeram as grandes empresas de Mercado agirem, de modo que a AmBev adquiriu em 2015 as marcas Colorado (Ribeirão Preto) e Wäls (Belo Horizonte), bem como a Heineken adquiriu a Eisenbahn (Blumenau) e a Baden Baden (Campos do Jordão);
  • De acordo com a Associação Brasileira de Franchising, desde 2014 o segmento de hamburguerias cresceu mais de 30% (isso falando APENAS daquelas que expandem para o modelo de franquias).
  • Esse fato pesou no Market Share (ou seja, a participação da empresa em um determinado Mercado) das hamburguerias já consolidadas. Como exemplo, a rede McDonald’s no Brasil teve queda de faturamento de 23,6% no segundo trimestre de 2015 quando comparado com o mesmo período em 2014.
  • Como resposta, em Fevereiro de 2016 lançaram o Club House, primeiro hambúrguer da Linha Signature, uma linha de hambúrgueres Premium, que aposta na diferenciação, no requinte e na seleção de seus ingredientes para abocanhar essa fatia de mercado que começaram a rejeitar o Fast Food Tradicional.

Esses são apenas alguns exemplos de como o artesanal já vem fazendo com que as grandes empresas tenham que se virar nos 30 para não perder espaço no Mercado, dado esses novos entrantes, bem como a mudança de hábitos, comportamentos e preferências do consumidor.

Já falamos bastante sobre as notáveis consequências dessa “onda”. Porém, uma possível causa para o crescimento desses negócios é o ainda existente contexto de desemprego no Brasil, demonstrado pelo dado do SEBRAE de que 31% dos empreendedores iniciam seus negócios por necessidade (ou seja, desemprego, complemento de renda, etc.).

Logo, uma possibilidade para essas pessoas que buscam renda é utilizar seus conhecimentos em áreas que tenham afinidade (seja em fazer brigadeiros, cookies, sorvetes, bolsas, crochês, meias, instrumentos, etc.), empregar esforços para elaborar seu produto, abusar da criatividade e começar um negócio. Dessa forma, o empreendedor já possui o primeiro “requisito” de uma empresa artesanal, que é “fazer com as próprias mãos”.

Entretanto, apenas criatividade não é capaz de fazer o negócio prosperar, o que fica bem claro quando encara-se na mesma pesquisa do SEBRAE que das empresas que encerram suas atividades em menos de dois anos 55% não elaboraram um Plano de Negócio, 82% despenderam menos de 6 meses planejando o negócio e 61% não procuraram ajuda de pessoas ou instituições (como a AD&M Consultoria) para a abertura do negócio.

Apenas criatividade, por si, não é capaz de fazer o negócio prosperar.

Desafios x Oportunidades

Como nem tudo são flores, os empreendedores que apostam no artesanal podem encontrar diversos desafios ao longo de suas jornadas. Um deles é o de bater de frente com as gigantes do Mercado, já consolidadas na mente do Mercado Consumidor.

De acordo com estudo sobre como e no que as pessoas confiam da Kantar TNS, há formas de gerar confiança no público consumidor, por meio da estrutura dos 3 i’s. São esses a Integridade, a Identificação e a Inclusão.

  • Integridade – diz respeito a “fazer o que é prometido”, ou seja, ser honesto, assumir o controle e recuperá-lo quando as promessas são quebradas. Para isso, as empresas devem tangibilizar seus produtos e serviços de modo a gerar credibilidade perante o público externo. Logo, as pessoas buscam por sinais que demonstrem essa integridade (ou seja, verbalizações de clientes, garantias, indicadores, etc.), que possam facilitar a tomada de decisão, devendo as empresas demonstrarem em suas ações o porquê os clientes devem confiar nelas. Sabe aquele seu amigo que comprou o seu brownie semana passada? Pede pra ele falar um pouquinho mais sobre o quão gostoso ele é e grava esse momento!;
  • Identificação – a identificação diz respeito à conexão que o seu consumidor faz com a sua empresa, com seu serviço e com seu produto. Quando dados, especialistas e outras fontes racionais pecam na credibilidade, a emoção toma conta na tomada de decisão – e é aí que as empresas devem apostar nessa identificação. Estamos programados a nos identificar com aquele que são semelhantes e familiares. Logo, ter conhecimento do seu público-alvo se faz cada vez mais importante para a captação de clientes, pois a partir desse conhecimento as empresas são capazes de compreender comportamentos, hábitos e preferências das pessoas, podendo tomar ações para se inserir de forma mais assertiva na vida das pessoas. Marcas artesanais tem maior facilidade de criar essa identificação, visto que são pequenas e lidam diretamente com o consumidor final!
  • Inclusão – Assim como na identificação, a Inclusão busca criar essas conexões, porém de uma forma ainda mais próxima, de modo que os clientes se sintam acolhidos e possam dizer que caminham “lado a lado” com a empresa. Inclusão é como um Investimento, pois a partir dela as pessoas criarão laços e estarão propensas a gastar mais tempo com a empresa que essa já se sente parte. É, de fato, vestir a camisa, pegar na mão e confiar a fundo. Criar redes sociais para, além de divulgar o produto, aproximar esse contato com o cliente é uma forma bem legal de acolher esses. Já pensou chamar vários deles e fazer um piquenique com seus parceiros? Fica a dica!

Segundo Luciana Piedemonte, diretora de Marca e Commerce da Kantar e autora do Artigo, “Os profissionais de marketing de diversos segmentos sempre pensaram a confiança como um resultado de terem cumprido uma tarefa com êxito. Mas neste atual ambiente, em que existe uma crise de confiança, é importante ter uma estratégia proativa para inspirá-la. E os 3 ‘is’ mostram como fazer isso seguindo os princípios simples que fazem um ser humano confiar um no outro”.

QUERO MARCAR UM DIAGNÓSTICO GRÁTIS!

Conhecendo os clientes

Outro desafio é o de conhecer os seus potenciais clientes, visto que 46% dos empreendedores não sabem quantos clientes terão e nem seus hábitos de consumo (de acordo com o SEBRAE).

Sem esse conhecimento, como uma empresa definirá seu produto ou serviço? Onde ela se estabelecerá? Qual o preço que ela irá praticar, de modo a levar em consideração seus custos e a predisposição do consumidor a pagar?

Essas dúvidas podem ser esclarecidas, por exemplo, com uma Pesquisa de Mercado, que consiste na busca por informações sobre esses comportamentos, preferências e hábitos. Munido dessas informações, o empreendedor pode saber de uma melhor forma como confeccionar seu produto e inseri-lo no Mercado com maior propensão de sucesso.

Há alguns fatores que podem ser buscados por meio de dados secundários, como o comportamento de uma geração como um todo, sem um nicho específico. Por exemplo, de acordo com o boletim de tendências de alimentação do Sebrae Segmentos, o consumidor das Gerações Y e Z (ou seja, aqueles que nasceram entre o final da década de 70 e 2010):

  • Buscam informações sobre toda a cadeia de produção de um alimento;
  • Valorizam a transparência das empresas;
  • Estão preocupados com questões ambientais, como impactos à natureza e aos animais – veja nosso post sobre Marketing Verde;
  • São rigorosos e críticos com os métodos de produção.

Beleza, a empresa conhece a fundo o consumidor, gerou confiança nele e já está vendendo bastante! O desafio agora é crescer. Mas será que crescer é o melhor caminho?

Já dizia Tio Ben no filme do Homem-Aranha: “com grandes poderes vem grandes responsabilidades”. E se o rapaz do brigadeiro que você compra na saída do trabalho quiser expandir seu produto e mudar todo o seu modelo de negócio, você teria a mesma experiência ao comprar dele? Provavelmente a resposta é não.

Posicionamento de Marca no Mercado Artesanal

Aqui, nesse momento, estamos falando sobre um choque de Posicionamento da Marca. Posicionamento, de acordo com Kotler (também conhecido como “o pai do Marketing” – não à toa), é “a ação de projetar o produto e a imagem da organização com o fim de ocupar uma posição diferenciada na escolha de seu público-alvo”.

Em miúdos, posicionamento é a forma que a sua empresa será vista pelos seus clientes, bem como será lembrada por. Logo, se diferenciar e apostar em posicionamento é uma das formas de ser lembrado num contexto cada vez mais competitivo, como visto nos dados expostos anteriormente.

Logo, retomando o exemplo do rapaz dos brigadeiros que deseja expandir seu negócio, sabemos que aquela “posição diferenciada” que ele ocupava irá mudar. Deixará de ser o moço que vendia diretamente para seus clientes e poderá contratar funcionários que farão isso, perdendo aquela proximidade com o cliente, mas podendo ganhar em outras frentes.

Mas expandir e querer alçar outros horizontes tem como consequência deixar de ser artesanal? Com certeza não.

De acordo com pesquisa do SEBRAE, microempreendedores formalizados ganham em média três vezes mais do que aqueles que não possuem CNPJ, o que pode ser bastante atrativo para empresas que desejam esforçar-se para atingir o lucro.

A formalização de negócios, com uma gestão mais profissional, é o que pode diferenciar uma empresa que sobrevive no mercado e outra que padece. Portanto, não é por que a empresa possui uma estrutura de custos e preços bem formalizada, cargos e funções definidas, ferramentas de apoio à gestão, estratégia definida e afins que essa deixará de ser artesanal.

O que importa é o empreendedor manter seu produto e serviço personalizáveis, reconhecidos pela diferenciação e cuidados artesanais que esses possuem. Diversas marcas de cerveja mantiveram o status artesanal mesmo com a expansão para outras regiões.

Gestão profissional pode diferenciar a empresa que sobrevive da que padece.

Precificação dos produtos artesanais

Pensar que o artesanal é o VALOR que você está entregando pode ser a chave dessa diferenciação. Falando em valor, que tal falar um pouco de preços?

De acordo com o escritor britânico Oscar Wilde, cínico é aquele que “sabe o preço de tudo e o valor de nada”. Essa frase resume bastante as ideias que serão expostas daqui para frente.

Uma estratégia eficaz de determinação de preços é aquela capaz de gerenciar receitas a fim de dar suporte aos objetivos de lucratividade da empresa. Logo, quando falamos de preços temos que levar em consideração três frentes: os custos envolvidos na produção, a atuação da concorrência e o valor gerado para os clientes.

Primeiramente, vamos falar sobre o mais tangível de todos: os custos. Em definição, o custo de um produto ou serviço é o gasto realizado para a elaboração desse, ou seja, o quanto se paga para produzir. Esses custos podem ser fixos ou variáveis, a depender se eles se alteram de acordo com a demanda.

A concorrência é determinante para a tomada de preço. Num contexto competitivo onde há opções bastante parecidas ou similares, o preço praticado pela concorrência é uma informação que não pode faltar para a tomada de decisão de preços, visto que o consumidor irá se pautar nesse preço para selecionar uma opção em detrimento da outra.

No contexto artesanal não é bem assim, dado que os produtos são dotados de criatividade, inspiração e talento, de modo que cada peça seja bastante diferente uma da outra. Entretanto, esse fato não exclui a necessidade de conhecer o preço da concorrência para estar a par do Mercado e continuar no leque de opções na tomada de decisão.

Por fim, a determinação de preço pelo valor é aquele mais aplicável ao contexto artístico, pois ao falar de valor estamos falando da “percepção do cliente perante o seu produto/serviço”. Nenhum consumidor pagará por algo mais do que acha que esse algo valha. Logo, é um desafio ao empreendedor saber o que o seu público-alvo valoriza num produto ou serviço, de modo que esse possa comunicar de forma mais exaustiva esse valor percebido, bem como deixá-lo mais presente em seu produto.

Dê uma olhadinha no nosso post sobre Custos e Preços de um Serviço: como definir?

De acordo com Lovelock (2011), em sua obra Marketing de Serviços: Pessoas, Tecnologia e Estratégias, o consumidor irá mensurar, na hora do consumo, os benefícios percebidos (ou seja, o que ele enxerga como valor naquele bem ou serviço) e os desembolsos percebidos (o que ele terá que fazer para adquirir – percorrer longas distâncias, esperar filas, julgamentos, etc.), como na imagem abaixo:

3vc5gC63yIgYrW0fkTBdMsINcXJKxXhBUyXNIIScrJWoZs9SdHSrc-yHzgu5pYW3l_98eap12ZsjuH_caAI3UrX3km_-Kiw7vLk56GTlTPLQG6zO90ZtRJJNJfKbaBruv0hHJ2hiymDMWgS0YA Mercado Artesanal? Oportunidades e como se planejar

Logo, identificar os benefícios percebidos pelos clientes (por meio de coleta de informações, dados e afins) e os desembolsos percebidos (não apenas financeiros, mas de deslocamento, tempo, tempo em pé, etc.) é a melhor forma de saber como converter mais clientes, dado que a empresa terá ciência de todas essas informações e tomará decisões de comunicar exaustivamente os benefícios envolvidos e mitigar os desembolsos percebidos.

E se você quiser explorar a respeito de outros temas, pode ler os seguintes artigos:

Você REALMENTE sabe utilizar o MVV? Para compreender de fato como a empresa pode se manter coerente à longo prazo.

Planejamento Estratégico: entenda como conquistar o voto do cliente! Para entender a aplicabilidade do planejamento estratégico na entrada de um novo setor.

Gostaria de abrir um negócio nesse setor ou formalizar o seu empreendimento? Entre em contato conosco!

imagem-final-post-mb Mercado Artesanal? Oportunidades e como se planejar

FONTES

Texto por: Ennio Moretti, Analista de Negócios da AD&M.

Revisado por: Sarah Barbosa e Marcelo Portela.

Categorias
Marketing

“Marketing verde” como estratégia empresarial

Nesse artigo, você irá aprender o conceito de marketing verde, observará informações que dão pistas sobre sua tendência nacional juntamente a exemplos do mercado, até por fim entender o que é “greenwashing”.

No dia 1º de Agosto de 2018, o planeta Terra se topou com uma situação extremamente alarmante. Nesta data,  a humanidade consumiu todas as árvores, toda a água, solo fértil e peixes que a Terra pode fornecer em um ano, segundo avaliações e previsões feitas pela Organização não-governamental WWF e pela Global Footprint.

As grandes instituições do mundo, aterrorizadas pela ideia dos recursos se esgotarem, têm dedicado, nas últimas décadas, grande parte dos seus esforços em projetos que buscam desacelerar este processo e combater o consumo não responsável de recursos, através de mudanças, por exemplo, com a “Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável” da ONU.17-objetivos-do-milenio "Marketing verde" como estratégia empresarial

Por isto, é importantíssimo entender que este movimento global afeta a maneira das pessoas pensarem, onde a consciência ambiental tem sido estimulada também através do consumo e utilização de produtos alinhados com esta mudança de hábitos e comportamentos de consumo.

O “Marketing Verde” representa dentro do mundo dos negócios esta preocupação por entender este novo pensamento do consumidor e, através das funções básicas do Marketing, atender às necessidades daqueles clientes que possuem um comportamento diferenciado por se  preocuparem com medidas sustentáveis e com danos à natureza.

Empresas como a Natura, por exemplo, têm utilizado esta consciência ambiental ao seu favor, se posicionando fortemente no mercado frente a outras empresas desse segmento, e isto tem sido fundamental para o seu crescimento,  consolidando-se como a maior multinacional brasileira de cosméticos e variando entre a 8ª e a 6ª posição entre as marcas mais valiosas do Brasil nos levantamentos mais recentes, como o da Interbrands.

Para entender este sucesso, é necessário entender que a Natura, como outras empresas que conhecem esta mudança na forma de pensar dos consumidores, não somente se posiciona de forma ecológica, como também, o seus produtos refletem esta essência ambiental. A linha EKOS, contém extratos de  óleos vegetais, como também, as suas embalagens contêm materiais reciclados e reutilizáveis para oferecer economia, aproveitamento de embalagens, e principalmente redução do impacto ambiental.

A BRF (dona de marcas como Sadia e Perdigão),  envolvida em escândalos de corrupção com a operação Carne Fraca, vêm apostando além de uma forte reestruturação organizacional, no marketing verde para melhorar sua imagem frente ao público. Em fato, é uma das grandes companhias alimentícias que atualmente está as melhores colocadas no ranking promovido pela BBFAW a respeito do tema bem estar animal, tendo avançado em relação ao último divulgado.

Outro casos de Marketing Verde incluem a Google, que recentemente aplicou 200 milhões de dólares em obtenção de energia eólica através de uma rede submarina. A Rede Pão de Açúcar, por sua vez, trocou sacolas de plástico antigas por outras que duram mais, resultando na economia de mais de 97 milhões de sacolas por ano.

De fato, a sustentabilidade e procura por conscientização ecológica vem se tornando um fenômeno cultural implacável nessa última década.

Um filme que retrata esta preocupação pelo meio-ambiente  é o filme de animação americano da Disney, “WALL-E” (2008). Wall-E, é um robô compactador de lixo que busca limpar uma Terra, no ano de 2815, inabitável e coberta de lixo, visto as práticas excessivas de consumismo e produção em massa ao longo dos anos. Este filme, não somente se consagrou no cinema recebendo vários prêmios mundialmente, como também, abriu espaço para a discussão de temas que o Marketing Verde se preocupa como por exemplo, sustentabilidade e impacto ambiental no consumo.

Visto a propagação desse fenômeno sócio-cultural, não demorou muito para que os hábitos dos consumidores também se renovassem e exercem impacto na economia. Um exemplo disso pode ser observado através de movimentos como os vegetarianos e veganos. Segundo o IBOPE, o número de vegetarianos no Brasil quase dobrou em 6 anos, chegando a 29 milhões de pessoas. E estes movimentos não parecem parar por agora, e cada vez, estimulam compras mais conscientes.

Ao mesmo tempo, alguns outros dados podem ser retirados de outras pesquisas, como esta realizada pela World Animal Protection “Jovens de 18 a 29 anos, no geral, têm maior preocupação com os métodos de abate (…) Quando questionados sobre a importância do bem-estar dos animais de fazenda, apenas 3% respondeu que não era nada importante.  Mas, ao mesmo tempo, esses mesmos consumidores sabem muito pouco sobre os métodos de criação dos animais“.

Pode-se retirar três análises desses dados, permitindo-se fazer uma analogia desse setor de atuação para outros que possam ser alcançados pelo marketing verde:

  1. Sendo os jovens aqueles com maior preocupação frente à esse tema, esse é mais um indicativo da tendência de crescimento.
  2. As empresas do ramo que já investem em posicionamento estratégico alinhado ao marketing verde não estão conseguindo externalizar de maneira eficaz suas iniciativas para o público, perdendo esse diferencial competitivo, ou não estão conseguindo saturar a demanda.
  3. Juntando as duas análises, por fim, existe um grande potencial de entrada no marketing verde para novas empresas, e este provavelmente será um tema cada vez mais explorado no futuro.

Há uma busca por parte da população de realizar escolhas de compra “conscientes, responsáveis, com a compreensão de que terão consequências ambientais e sociais – positivas ou negativas.”, assim, formando consumidores e clientes mais exigente e que se preocupam pela matéria prima utilizada, reutilização do produto, impacto ambiental deste, entre outras questões.

O nome deste fenômeno é “consumo sustentável”, e “envolve a escolha de produtos que utilizam menos recursos naturais em sua produção, que garantiram o emprego decente aos que os produziram, e que serão facilmente reaproveitados ou reciclados”, segundo o Ministério do Meio-Ambiente.

Por isto, as empresas vêm encontrando novos desafios e oportunidades ao explorar novos nichos, assim, estimulando a criação de uma nova forma de produzir, a “produção sustentável”, que se refere à “incorporação, ao longo de todo o ciclo de vida de bens e serviços, das melhores alternativas possíveis para minimizar impactos ambientais e sociais”,  e forma parte de uma das funções do Marketing Verde.

Greenwashing e desafios do Marketing Verde

Visto a possibilidade de expandir e atingir novos nichos, as empresas têm investido de forma contundente em medidas para renovar as suas estratégias mercadológicas para atingir essa parcela de mercado, só que, como mencionamos antes. os consumidores estão mais exigentes e têm mais acesso à informações, e isto significa que as empresas, se quiserem utilizar o Marketing Verde, devem, criar uma linha de coerência nos seus diferentes subníveis (produção, embalagem, promoção, transporte de matéria-prima) que se alinhe com os valores ecológicos, como também, pessoais dos consumidores.

Se não existir coerência no discurso das organizações com as suas ações reais, as empresas não adotam o Marketing Verde, mas sim, a prática do greenwashing, que consiste em “promover anúncios, ações, documentos, propagandas e campanhas publicitárias sobre ser ambientalmente/ecologicamente correto com a intenção primordial de relacionar a imagem de quem divulga essas informações à defesa do ambiente, mas, na verdade, medidas reais que colaborem com a minimização ou solução dos problemas ambientais não são realmente adotadas e, muitas vezes, as ações tomadas geram impactos negativos ao meio ambiente.”

Por isto, um dos grandes desafios principais das empresas ao implementar o Marketing Verde é de como transpassar confiança e credibilidade ao consumidor de que a organização não busca adquirir vantagens financeiras através de tendências sustentáveis, e, sim conscientizar e impactar o mercado.

A chave de tudo isto, se encontra em um ponto crucial de atuação, coerência no discurso.  Scot Case, Vice Presidente de Consultoria Estratégia para a NMI(“Instituto Natural de Marketing”), afirmou que “está se tornando cada vez mais importante para os fabricantes, marcas, produtos individuais e os varejistas que vendem estes produtos contarem histórias de sustentabilidade que ressoam com os consumidores. São as inconsistências que desencadeiam as preocupações dos consumidores com o “greenwashing”, a sensação de que alguém está sendo enganado sobre os benefícios ambientais de um produto, serviço ou empresa ”.

Concluindo, as empresas, principalmente as que já vem aderindo essa visão, devem entender que este fenômeno cultural e sócio-econômico reflete uma mudança global que vem acontecendo nas últimas décadas. Todas as mudanças que ocorrem, tanto no âmbito pessoal como no empresarial, são desconfortáveis e causam dor, mas ao mesmo tempo, se visto sobre uma diferente ótica, são oportunidades de crescimento, aprendizagem e renovação.

Não somente os consumidores, como também as empresas, vêm percebendo que estas estratégias e formas de pensar são benéficas para todos, e cada vez mais, as pessoas querem se sentir conectadas com propósitos e causas sociais que impactem de forma positiva as próximas gerações.

Por isto, pode-se até afirmar que, visto o ritmo exponencial de troca de informação, as organizações que não buscarem acompanhar as tendências sustentáveis, não se posicionarem a respeito de certos assuntos de interesse comum, e, que tenham dissonância entre o que elas dizem acreditar e que realmente fazem, não estarão bem posicionadas frente à um grande mercado que surge diante delas.

E se você quiser saber mais sobre como explorar esse tema, pode ler os seguintes artigos:

Você REALMENTE sabe utilizar o MVV?: Para compreender como manter a coerência no discurso e a importância disso para a estratégia na organização.

Na era do Netflix, não seja uma Blockbuster: Para entender como os concorrentes podem influenciar sua atuação.

Nesse contexto a AD&M atua há mais de 26 anos como consultoria em gestão empresarial e oferece suporte em diversas áreas, como posicionamento de marca, viabilidade mercadológica e também na formulação de planejamentos estratégicos.

E aí? Agende um horário para pensarmos juntos no futuro da sua empresa!

imagem-final-post-mb "Marketing verde" como estratégia empresarial

Criado e escrito por: Alexandre Zwetsch Marr

Supervisionado por: Marcelo Portela

Consultores de projetos – AD&M Consultoria Empresarial

 

Referências externas:

https://blog.marketresearch.com/sustainability-in-america-consumer-attitudes-toward-green-brands-reach-all-time-high

http://www.uesc.br/revistas/calea/edicoes/rev4_artigo7.pdf

https://marketing.conference-services.net/resources/327/2342/pdf/AM2011_0209.pdf

https://www.researchgate.net/publication/257919962/download

http://repositorio.furg.br/bitstream/handle/1/909/Consci%C3%AAncia%20ambiental%20e%20comportamento%20do%20consumidor.pdf?sequence=1

https://periodicos.ufsm.br/reget/article/viewFile/15778/pdf

https://www.vox.com/culture/2017/6/3/15728220/wall-e-pixar-environmentalist-movie-of-week-paris-accord

http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/producao-e-consumo-sustentavel/conceitos/producao-sustentavel.html

http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/producao-e-consumo-sustentavel/conceitos/consumo-sustentavel.html

Categorias
Estratégia Marketing

5 estratégias para você potencializar o relacionamento com o seu cliente

Provavelmente você já se deparou com o desafio e o questionamento de como se aproximar mais dos seus clientes, não é mesmo? Uma opção para isso pode ser a HUMANIZAÇÃO desse relacionamento. Humanizar significa “tornar humano” e isso costuma ser atingido por meio do contato, baseado em empatia, engajamento e interação.

A empatia diz respeito à compreensão do cliente como indivíduo ao invés de um número ou um ponto de interesse. Essa compreensão pode ser potencializada a partir do momento em que há uma preocupação com os interesses dele, definindo como isso se alinha ao que a sua empresa oferece.

O engajamento é envolver o seu cliente com a sua empresa. Pode ser melhorado quando você testa o que motiva o seu cliente e mensura os seus resultados de atuação, até chegar em um cenário ideal e vantajoso. Buscando a conciliação entre o que a empresa oferece e ao que os clientes esperam.

Por fim, a interação é o complemento final disso, ou seja, se você considerou as necessidades e os interesses de seus clientes e entregou conteúdos que eles se identificaram, você causou um  impacto na interação desses clientes e a sua empresa. Essa atividade pode ser uma usado como parâmetro e indicador de relação ou contato do cliente com o serviço, produto ou conteúdo que você está oferecendo.

Lidamos com diversas mídias sociais e plataformas, como: Facebook, Instagram, Twitter, sites, blogs e muito mais. Nelas, uma grande quantidade de pessoas tem a possibilidade de buscar o conteúdo que você produz e ter contato com os seus produtos e/ou serviços, juntamente com os seus valores e as propostas de sua empresa. A humanização pode potencializar os negócios por meio da interação, que cria uma conexão com as pessoas que pode promover um alcance ainda maior da publicação por meios de compartilhamentos e curtidas orgânicas, ou seja, naturais, movidas por empatia. Além disso, pode ser um incentivo ou um auxílio na decisão de compra ou associação, movidos pela conexão que um cliente teve ao receber um conteúdo que ele julga importante, com base em suas necessidades e interesses, ampliando e disseminando também o nome da marca ao público.

Vimos então como a humanização de uma empresa com os seus clientes é importante e pode impactar na disseminação e nas vendas, certo? A seguir, teremos 5 dicas para você promover a humanização em sua comunicação e a interação em seus negócios, que podem “trabalhar para você”.

1 – Promova encontros:

Essa é uma proposta para engajar o seu cliente e trazê-lo para mais perto de você. As pessoas estão em constante contato com outras, interagindo fisicamente ou virtualmente, dessa forma, as empresas podem aproveitar esse fato como uma oportunidade, promovendo encontros com a marca, tornando-a mais interessante e gerando uma ligação entre o consumidor do produto, serviço ou conteúdo com a empresa. Adaptando as relações para um contato de interesse, reciprocidade e cotidiano, transparecendo naturalidade e conexão e também identificando como se aproximar mais dos clientes já existentes e potenciais. Faça eventos, grupos focais, participe de eventos e conecte-se com as pessoas, exponha seus produtos, serviços e demonstre como eles podem atender do público, como eles podem auxiliar de alguma maneira e como eles podem gerar alguma experiência ou sanar alguma necessidade.

2 – Observe, contate, se aproxime e se possível, contrate influenciadores:

Esse meio de marketing consiste em atrelar a imagem do serviço ou produto a pessoas  influentes nas mídias sociais. Influenciadores são um grande marco da era digital e representam uma forma interessante de divulgar a marca, de forma orgânica e direcionada. Orgânica porque é uma forma de divulgação extremamente fluída e natural, se for feita corretamente, e direcionada. Assim, é possível analisar o público alvo específico do influenciador digital e o número de pessoas que podem ser alcançadas pela propaganda, que se realizada da maneira ideal estará alinhada aos interesses do público.

3 – Utilize a “bio”:

Provavelmente sua empresa está inserida em alguma mídia social, certo? A ideia de usar a bio nesse ponto consiste na utilização do campo de informações centrais, ou seja, o perfil da empresa descrito em palavras, que são disponibilizadas aos clientes, com exceção de algumas plataformas como os sites, que geralmente contém campo de “sobre”, que destaca a missão, visão e valores da empresa. Esses campos informativos por sua vez, são o ponto de contato inicial com o consumidor, dessa forma ela deve conter, o que você faz, como você faz, como isso pode beneficiar o cliente e como a necessidade dele se conecta a sua empresa, tudo isso incluindo qual o seu diferencial e a depender do seu público-alvo, não é interessante conter muito termos técnicos.

4 – Promova um conteúdo alinhado:

Essa é a base central para possuir um contato eficiente com o cliente, promover um conteúdo alinhado é demonstrar que você esteve atento e interessado no conteúdo que o seu cliente ou prospecto quis saber, ver, sentir ou ler. Suas estratégias têm que se direcionar ao seu público-alvo. Nas mídias sociais, é interessante que a plataforma que você utiliza seja aquela que o seu público utiliza. Seu texto deve conter o  que seus clientes buscam, passar a mensagem que eles precisam e devem conter imagens impactantes que retratem o objetivo do conteúdo. É necessário, portanto, que você colete feedbacks e ajuste o formato no decorrer que o conteúdo esteja sendo desenvolvido, de modo a atingir um modelo ideal de atuação. Para isso, conheça o perfil do seu público, seus hábitos, seus costumes, seus registros, sua idade, seus padrões, suas pesquisas e dessa maneira você estará mais próximo do seu cliente, potencializando assim o seu negócio e se posicionando mais efetivamente para o mercado.

5 – Aproveite o Storytelling:

O Storytelling é uma ferramenta de marketing utilizada para promover a persuasão e influenciar o seu consumidor em uma história no qual ele se identifique. É uma maneira positiva de fornecer um conteúdo alinhado aos interesses dos consumidores, capaz de atraí-los ao que a empresa está oferecendo, ou seja, uma maneira de inserir o consumidor em uma realidade, em algumas vezes lúdica, promovendo a sua imaginação para a utilização de algum produto ou serviço, transformando conteúdos em vivências. É uma maneira para realizar os ensinamento acima, para construir um storytelling é essencial ouvir o seu público, aprender com ele, descobrir como gerar conteúdo, explorar possibilidades de atuação, criar efetivamente esses conteúdos, comunicar a sua mensagem e encantar o seu público, demonstrando que compreendeu as necessidades dele e atuou sobre isso.

É importante ressaltar que essas não são as únicas estratégias que podem ser utilizadas pela empresa para engajar mais o cliente e criar um relacionamento positivo entre ele e a empresa. Mas, as estratégias abordadas acima são capazes de dar o “pontapé inicial” para a construção desse relacionamento, que é essencial para a empresa, pois auxilia o seu desenvolvimento e estimula o seu posicionamento perante os seus concorrentes, clientes e o setor no geral.

imagem-final-post-25-10 5 estratégias para você potencializar o relacionamento com o seu cliente

Criado por: Evandro Garcia

Líder de Projetos – AD&M Consultoria Empresarial

Fontes: Digitalks – Buzzmonitor

Categorias
Marketing

O que você ouviu falar sobre MARKETING DIGITAL?

 

Você já deve ter esbarrado com esse termo por aí, e ainda se pergunta por que esse assunto não pára de aparecer? Hoje você vai descobrir alguns motivos para esse termo ser tão recorrente, inclusive o porquê do Marketing Digital ser tão utilizado pelas maiores empresas!

Você já deve ter percebido o quanto estudar os elementos do mercado é importante! Analisar elementos do ambiente externo (econômicos, políticos, sociais…), comportamentos dos seus concorrentes, preferências do seu público-alvo, posicionamento da sua marca, é imprescindível, uma vez que estes podem impactar tanto positivamente quanto ou negativamente a sua empresa, podendo ser decisivos até para a sobrevivência dela no mercado. De forma positiva, as empresas têm conseguido fidelizar seus clientes através de uma linguagem mais informal e da presença em meios de comunicação que os clientes utilizam todos os dias, estreitando as relações com os consumidores.

Diante de tudo isso, o mais importante é a forma que a empresa lida com tais elementos. É necessário analisar essas informações de mercado mas principalmente direcionar a empresa para caminhos que valem à pena. Todos sabemos que é preciso aproveitar oportunidades e investir nas forças de uma empresa, mas apenas com um estudo profundo que se consegue apostar em estratégias que realmente dêem certo!

Falando nas estratégias, existem as tradicionais de Marketing Offline, que versam entre pagar o aluguel de um outdoor, imprimir panfletos, publicar em espaços de jornais e revistas e outras. Mas isso pode custar muito caro, não é mesmo? E quais são as chances do cliente passar pelo local certo e ver seu outdoor?

Como alternativa, temos o Marketing Online, ou Marketing Digital. Segundo o Blog Resultados Digitais, o Marketing Digital é “o conjunto de informações e ações que podem ser feitas em diversos meios digitais com o objetivo de promover empresas e produtos.”*

Você já deve ter percebido o quanto as redes sociais têm dado poder aos consumidores, que têm achado mais cômodo e efetivo fazer reclamações sobre atendimento ou produto na própria página virtual da marca, de forma exposta.

O que você faria se visse alguém falando muito mal de alguma coisa? Provavelmente ficaria com o pé atrás em relação àquilo! Pois é, é exatamente assim que essas relações se dão! Ter um comentário negativo no perfil público de uma empresa pode reverberar, ou seja, chegar, a vários clientes frequentes ou potenciais, denegrindo a imagem e a possibilidade deles voltarem a comprar algo com a empresa. Em outras palavras, não gerenciar as redes sociais de uma empresa pode levar à perda de vendas, logo, à diminuição de lucro.

No entanto, da mesma forma que os clientes podem reclamar e expor uma empresa, é possível que façam o contrário. Com o Marketing Digital, as empresas podem se posicionar frente aos clientes, comunicar melhor e de forma mais rápida, resolver problemas com excelência, captar clientes e ainda conseguir uma noção de como os clientes a enxergam, para assim trabalhar constantemente a sua imagem.

Trabalhar com Marketing Digital é gerenciar a relação com os clientes por meio das mídias digitais, como Facebook, Instagram, YouTube, LinkedIn, Twitter, dentre outras… O E-mail Marketing também está dentro disso, sendo que tudo está relacionado à Produção de Conteúdo, mas podemos conversar sobre esse assunto em um próximo post.

Ainda está na dúvida sobre o porquê de trabalhar com o Marketing Digital? Tudo bem, te daremos 5 motivos:

imagem2 O que você ouviu falar sobre MARKETING DIGITAL?

Em nossos projetos, auxiliamos nossos clientes a trabalharem com o Marketing Digital a partir de direcionamentos com estratégias simples que fazem uma grande diferença no faturamento final da empresa deles. E não pára por aí! Esses direcionamentos possibilitam o fortalecimento da marca, a promoção da imagem e a expansão dos serviços/produtos no mercado.

Sabemos como é difícil investir em estratégias de marketing em meio a tantas demandas e problemas a se resolver no dia-a-dia de uma empresa. Por isso é tão bom encontrar pessoas engajadas com a sua causa, e com muita bagagem de conhecimento sobre o assunto. Nisso, a AD&M se encaixa perfeitamente, pois um dos nossos maiores diferenciais é estarmos dentro da Universidade de Brasília, aprendendo com professores, pesquisadores, mestres e doutores, trazendo sempre novas metodologias e abordagens para gerar valor de verdade para os nossos clientes.

Também achou pertinente? Quer saber mais sobre isso? É só clicar abaixo:

imagem3 O que você ouviu falar sobre MARKETING DIGITAL?

Criado por: Priscila Sobral

Para saber mais sobre o trabalho da Priscila, clique aqui! 

*Fontes:

HAMANN, Renan. Infográfico mostra quanto tempo brasileiros estão gastando em redes sociais. TecMundo, 18 jun 2015. Disponível em: < https://www.tecmundo.com.br/redes-sociais/81714-infografico-mostra-tempo-brasileiros-gastando-redes-sociais.htm> Acesso em: 28 ago 2017

RESULTADOS DIGITAIS. Marketing Digital. [s.l.] [s.d]. Disponível em: <http://resultadosdigitais.com.br/marketing-digital/>. Acesso em: 28 ago 2017